Roteiro para a igualdade entre homens e mulheres (2006-2010)

segunda-feira
07:35:50
agosto
17 2009

Roteiro para a igualdade entre homens e mulheres (2006-2010)

View 155.3K

word 2.1K read time 10 minutes, 41 Seconds

Este roteiro tem como objectivo fazer avançar o programa sobre a igualdade entre homens e mulheres. Sucede à estratégia-quadro para a igualdade entre homens e mulheres no período 2001-2005 e faz o respectivo balanço, procurando reforçar actividades existentes e propor novas actividades. O roteiro identifica seis áreas de intervenção prioritárias e, para cada uma delas, objectivos e acções de primeira importância, aptos a facilitar à sua realização. Seguir-se-lhe-á um relatório de aplicação a apresentar em 2008 e uma avaliação acompanhada de uma proposta de seguimento a apresentar em 2010. ACTO Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões - Roteiro para a igualdade entre homens e mulheres 2006-2010 [COM(2006) 92 final - Não publicada no Jornal Oficial].
SÍNTESE O roteiro define certas áreas de intervenção existentes e propõe outras inteiramente novas. No total, definem-se seis áreas de intervenção prioritárias: igualdade em matéria de independência económica para homens e mulheres; conciliação da vida profissional e familiar; representação equitativa na tomada de decisões; erradicação de todas as formas de violência em razão do sexo; eliminação dos estereótipos de género e promoção da igualdade entre homens e mulheres nas políticas externa e de desenvolvimento.
Igualdade em matéria de independência económica para homens e mulheres
Apesar dos progressos significativos conseguidos graças à legislação sobre a igualdade de tratamento e ao diálogo social, a Europa continua a confrontar-se com desafios consideráveis. A Comissão fixa objectivos em torno de seis pontos-chave.

  • Alguns dos objectivos de Lisboa incidem sobre as questões relacionadas com o género, mas há que reforçar os esforços para os atingir, designadamente no que diz respeito à taxa de emprego e desemprego das mulheres.
  • Pese embora a legislação comunitária existente, há sempre uma diferença de remuneração de 15% entre as mulheres e os homens que advém de desigualdades estruturais como a segregação nos sectores de trabalho.
  • As mulheres constituem, em média, 30% dos empresários da União Europeia (UE). Enfrentam, por vezes, maiores dificuldades do que os homens no acesso a financiamento e a formação.
  • O risco de pobreza é maior para as mulheres que para os homens, já que elas tendem a ter carreiras profissionais com interrupções, adquirindo, por conseguinte, menos direitos. Os sistemas de protecção social deveriam permitir que as mulheres acumulassem direitos de pensão individuais apropriados.
  • Mulheres e homens são expostos a riscos em matéria de saúde de maneira diferente. A investigação médica e muitas normas de saúde e segurança dizem mais respeito aos homens e a sectores profissionais de dominação masculina.
  • Importa combater as discriminações múltiplas, em especial contra as mulheres imigrantes e oriundas de minorias étnicas.
Conciliação da vida privada e profissional
  • A flexibilidade na organização do trabalho apresenta muitas vantagens. Contudo, o facto de serem mais as mulheres que os homens a recorrer à possibilidade de flexibilidade repercute-se negativamente na sua posição no local de trabalho e na sua independência económica.
  • O declínio demográfico tem como consequência que a UE não pode permitir-se nenhum desperdício de capital humano. Melhores estruturas de guarda de crianças permitem encontrar um novo equilíbrio entre trabalho e vida privada.
  • Poucos são os homens que exercem o direito à licença parental ou que trabalham a tempo parcial. Deveriam ser tomadas medidas que os incitassem a assumir responsabilidades familiares.
Representação igual na tomada de decisões
  • A persistente sub-representação feminina na sociedade civil, na vida política e nos cargos superiores da administração pública constitui um défice democrático.
  • Uma participação equilibrada pode contribuir para uma cultura do trabalho mais produtiva e inovadora. A transparência nos processos de promoção é essencial.
  • Atingir o objectivo, fixado pelos Estados-Membros, de 25% de mulheres em cargos de liderança na investigação do sector público pode contribuir para aumentar a inovação, a qualidade e a competitividade da investigação.
Erradicação de qualquer forma de violência em razão do sexo
  • Práticas como a mutilação genital feminina ou os casamentos precoces e forçados são violações do direito fundamental à vida, à segurança, à liberdade, à dignidade e à integridade física e emocional.
  • Para combater o tráfico de mulheres, a Comissão sugere a criminalização do tráfico através de legislação adequada e, simultaneamente, a adopção de medidas de desincentivo da procura de seres humanos para fins de exploração sexual. A nova directiva relativa ao título de residência concedido às vítimas de tráfico de seres humanos facultará um instrumento para a sua reintegração no mercado laboral.
Eliminação dos estereótipos de género
  • No ensino e na cultura: os jovens deveriam ser incentivados a orientar-se para estudos não tradicionais, o que evitaria que as mulheres fossem colocadas nas profissões menos valorizadas e menos bem remuneradas.
  • No mercado laboral: as mulheres continuam a ter de enfrentar uma segregação ao mesmo tempo horizontal e vertical, continuando a estar maioritariamente empregadas em sectores menos valorizados e a ocupar escalões inferiores na hierarquia.
  • Nos meios de comunicação social.
Promoção da igualdade nas políticas externas e de desenvolvimento
Para a promoção da igualdade nas políticas externas e de desenvolvimento, é necessário distinguir os países em vias de adesão, candidatos e candidatos potenciais, por um lado, e os outros países, eventualmente participantes na política europeia de vizinhança, por outro.
Os primeiros devem transpor o acervo comunitário. Quanto aos segundos, a UE tenta promover princípios internacionalmente reconhecidos como a Declaração de Desenvolvimento do Milénio e a Plataforma de Acção de Pequim (DE) (EN) (FR) (BPfA). Além disso, reafirmou, no âmbito do «Consenso Europeu sobre o Desenvolvimento», a igualdade entre homens e mulheres como uma das cinco principais prioridades da política de desenvolvimento. A nova estratégia da UE para África inclui igualmente este aspecto.
PRINCIPAIS ACÇÕES
Revisão da legislação
A Comissão examinará a legislação comunitária em vigor no domínio da igualdade entre homens e mulheres que não esteja incluída no exercício de reformulação legislativa de 2005 com o objectivo de a modernizar.
Com o apoio do grupo interserviços que se ocupa das questões relacionadas com o género, tomará providências para integrar tanto quanto possível o aspecto da igualdade entre homens e mulheres em todas as políticas, por exemplo nas Orientações Integradas para o Crescimento e o Emprego e no novo método aberto de coordenação racionalizada () que abrange as pensões, a inclusão social, a saúde e os cuidados prolongados.
Sensibilização
A eliminação dos estereótipos de género passa essencialmente pela sensibilização. A Comissão tenciona, por exemplo, reforçar o diálogo com os cidadãos da UE através do Plano D para a Democracia, o Diálogo e o Debate e do portal « A vossa Europa ».
Melhores estatísticas e mais investigação
Na maior parte dos domínios, revelou-se a necessidade de melhores estatísticas. Novos indicadores e um novo índice composto de igualdade entre homens e mulheres deverão permitir comparar mais facilmente os dados à escala da UE. A ventilação das estatísticas por sexo é igualmente importante.
Requer-se mais investigação no que diz respeito às questões relacionadas com o género no domínio da saúde e no das profissões do sector social e da saúde. Prosseguirão os trabalhos da base de dados europeia sobre as mulheres e os homens no processo de tomada de decisões.O 7.º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico pode servir de instrumento para o financiamento de investigações específicas.
A nível internacional, a Plataforma de Pequim, apoiada pela Comissão, prevê melhores estruturas de recolha de dados sobre as questões relacionadas com o género nos países em desenvolvimento.
Outras medidas
A Comissão terá em conta as questões relacionadas com o género em várias comunicações futuras, nomeadamente sobre a demografia, sobre a criação de um sistema de estatísticas comparáveis relativas à criminalidade, às vítimas e à justiça criminal, bem como sobre "Uma visão europeia da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento".
Elaborará um guia europeu de melhores práticas em questões relacionadas com o género nas TIC e, em 2006, orientações em matéria de integração dessas questões nas actividades de formação em gestão de crises internacionais, bem como manuais para a integração dessas questões entre os agentes envolvidos nas Orientações Integradas para o Crescimento e o Emprego e no novo método aberto de coordenação racionalizada que abrange as pensões, a inclusão social, a saúde e os cuidados prolongados. A Comissão apresentará uma comunicação sobre a diferença de remuneração entre homens e mulheres em 2007.
Vários acontecimentos proporcionarão ocasiões de fazer avançar a causa da igualdade entre homens e mulheres: o Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos em 2007, o Ano Europeu do Combate à Exclusão e à Pobreza em 2010; e uma conferência ministerial Euromed sobre igualdade entre homens e mulheres em 2006.
A Comissão criará uma rede comunitária de mulheres com cargos de responsabilidade a nível político e económico, bem como uma rede de organismos que tratem da igualdade entre homens e mulheres. Trabalhará em estreita colaboração com as ONG e os parceiros sociais.
Financiamento
Um novo Instituto Europeu para a Igualdade entre Homens e Mulheres, dotado de um fundo de 50 milhões de euros, desempenhará um papel crucial no acompanhamento da maior parte das acções atrás referidas.
O financiamento das acções principais terá inúmeras proveniências, incluindo o futuro programa PROGRESS, dado que a questão da igualdade entre homens e mulheres é um aspecto comum a várias políticas.
Por esta razão, a Comissão explorará as possibilidades de desenvolver a consideração e a avaliação de impacto das questões relacionadas com o género no processo orçamental a nível da UE.
Os Fundos Estruturais, como o FEP e o FEADER (2007-2013), constituem uma importante fonte de financiamento. Os Fundos Estruturais permitirão também realizar os objectivos de Barcelona relativos às estruturas de guarda de crianças e ao desenvolvimento de outras estruturas de cuidados.
O FSE desempenha um papel na inserção das mulheres no mercado do trabalho, assim como na integração das mulheres de países terceiros na União Europeia e na eliminação dos estereótipos.

Source by Europe


LSNN is an independent editor which relies on reader support. We disclose the reality of the facts, after careful observations of the contents rigorously taken from direct sources, we work in the direction of freedom of expression and for human rights , in an oppressed society that struggles more and more in differentiating. Collecting contributions allows us to continue giving reliable information that takes many hours of work. LSNN is in continuous development and offers its own platform, to give space to authors, who fully exploit its potential. Your help is also needed now more than ever!

In a world, where disinformation is the main strategy, adopted to be able to act sometimes to the detriment of human rights by increasingly reducing freedom of expression , You can make a difference by helping us to keep disclosure alive. This project was born in June 1999 and has become a real mission, which we carry out with dedication and always independently "this is a fact: we have never made use of funds or contributions of any kind, we have always self-financed every single operation and dissemination project ". Give your hard-earned cash to sites or channels that change flags every time the wind blows , LSNN is proof that you don't change flags you were born for! We have seen the birth of realities that die after a few months at most after two years. Those who continue in the nurturing reality of which there is no history, in some way contribute in taking more and more freedom of expression from people who, like You , have decided and want to live in a more ethical world, in which existing is not a right to be conquered, L or it is because you already exist and were born with these rights! The ability to distinguish and decide intelligently is a fact, which allows us to continue . An important fact is the time that «LSNN takes» and it is remarkable! Countless hours in source research and control, development, security, public relations, is the foundation of our basic and day-to-day tasks. We do not schedule releases and publications, everything happens spontaneously and at all hours of the day or night, in the instant in which the single author or whoever writes or curates the contents makes them public. LSNN has made this popular project pure love, in the direction of the right of expression and always on the side of human rights. Thanks, contribute now click here this is the wallet to contribute


Similar Articles / Roteiro ...006-2010)
from: ladysilvia
by: H2Roma
07 nov 2010
H2Roma 2010
from: ladysilvia
by: Comune_di_Monza
from: ladysilvia
by: Apple
from: ladysilvia
by: Bocconi