Dia da Mulher, 8 de março, violencia contra as mulheres

Mièrcoles
23:04:40
Marzo
09 2005

Dia da Mulher, 8 de março, violencia contra as mulheres

View 136.4K

word 613 read time 3 minutes, 3 Seconds

Hoje meus olhos encontraram um documento que tenho ha tempo entre tantos que fazem parte de minhas pesquisas e estudos sobre a mulher. Um dos documentos mais importantes sobre a luta das mulheres nas ultimas decadas, a “Declaration on the Elimination of Violence against Women” (Declaraçao para a eliminaçao da violencia contra as mulheres), de 20 de dezembro de 1993, publicado pelas Naçoes Unidas. Peguei as folhas e mecanicamente meus olhos encontraram o Artigo 3 paragraffo (a) onde se le: “The right to life” (direito à vida). Parei, meu coraçao apertou, meus olhos se encheram de lagrimas e nao pude evitar as lagrimas que cairam pelo meu rosto, um choro timido, com vergonha de ter lido aquelas palavras. Senti profunda humilhaçao. Depois meu choro tomou proporçoes maiores e se transfomou e indignaçao por viver em um planeta que è selvagem com suas mulheres e meninas. Planeta tao violento que obriga as Naçoes Unidas a divulgar um documento como este, com o claro objetivo de salvaguardar a vida das mulheres; ja que o artigo 3.(a) diz que a mulher tem direito à vida.

Pensei: como eles tiveram coragem de escrever e incluir este artigo com este paragrafo? Sera que nao se envergonharam, nao ficaram vermelhos de vergonha? Fizeram muitas reunioes antes de decidirem se este paragrafo merecia ser incluido? Sera que algum componente do grupo que participou da redaçao do documento teve uma crise de choro como a minha ou uma crise histerica? Como se sentiram eles ao se resignarem à toda a violencia que a mulher sofre ao ponto de decidirem que era primordial incluir este artigo com este paragrafo? Sera que sentiram medo de criticas?

Infelizmente, este documento è somente a transcriçao da realidade dura e cruel que reina soberana em todos os paises deste violento planeta. As Naçoes Unidas elaboraram um documento que demonstra que o homem nao respeita o direito à vida que a mulher tambem possui.

Por isso, pelo artigo 3, paragrafo (a), da “Declaraçao da eliminaçao da violencia contra as mulheres” das Naçoes Unidas, no dia 8 de março eu nao vou festejar. Nao sera um dia de festa para mim. O paragrafo (a) do Artigo 3 ainda nao è cumprido pelos homens e esta muito longe de ser uma realidade. A mulher ainda nao tem direito à vida.

No dia 8 de março eu me vestirei de preto, em luto, em solidariedade à todas as meninas raptadas e mortas. De luto por todas as mulheres assassinadas por homens que nao puderam escutar a palavra nao. Nao terei nada à celebrar enquanto milhoes de meninas todos os anos tem seus clitoris arrancados em paises onde somente os homens tem o direito ao prazer sexual. Nao poderei festejar enquanto meninas sao vendidas como mercadoria barata para deleite de pedofilos.

Nao poderei fazer um brinde, pois o estupro ainda è praticado por seres que se dizem “humanos”. Para mim sera um dia de recolhimento em solidariedade à milhoes de mulheres que nao existem, que um deus e um veu as fizeram desaparecer nos paises arabes.

Nao, nao beberei uma taça de champagne; fecharei os olhos, abaixarei a cabeça em respeito à dor de milhoes de mulheres mortas, vitimas da violencia masculina, no ano que passou. Farei um minuto de silencio em memoria de tantas almas, de tantos sonhos que nao se realizaram, de meninas que nao nasceram, de mulheres que apostaram atè o fim na vida, na esperança, no amor, na dignidade humana, que a violencia do macho suplantou.

Farei um minuto de silencio por mim mesma, mulher, que ainda nao tenho direito à vida.

Tania Rocha
Escritora

Lodi Italia
rochatania@libero.it

Source by Redazione


LSNN is an independent editor which relies on reader support. We disclose the reality of the facts, after careful observations of the contents rigorously taken from direct sources, we work in the direction of freedom of expression and for human rights , in an oppressed society that struggles more and more in differentiating. Collecting contributions allows us to continue giving reliable information that takes many hours of work. LSNN is in continuous development and offers its own platform, to give space to authors, who fully exploit its potential. Your help is also needed now more than ever!

In a world, where disinformation is the main strategy, adopted to be able to act sometimes to the detriment of human rights by increasingly reducing freedom of expression , You can make a difference by helping us to keep disclosure alive. This project was born in June 1999 and has become a real mission, which we carry out with dedication and always independently "this is a fact: we have never made use of funds or contributions of any kind, we have always self-financed every single operation and dissemination project ". Give your hard-earned cash to sites or channels that change flags every time the wind blows , LSNN is proof that you don't change flags you were born for! We have seen the birth of realities that die after a few months at most after two years. Those who continue in the nurturing reality of which there is no history, in some way contribute in taking more and more freedom of expression from people who, like You , have decided and want to live in a more ethical world, in which existing is not a right to be conquered, L or it is because you already exist and were born with these rights! The ability to distinguish and decide intelligently is a fact, which allows us to continue . An important fact is the time that «LSNN takes» and it is remarkable! Countless hours in source research and control, development, security, public relations, is the foundation of our basic and day-to-day tasks. We do not schedule releases and publications, everything happens spontaneously and at all hours of the day or night, in the instant in which the single author or whoever writes or curates the contents makes them public. LSNN has made this popular project pure love, in the direction of the right of expression and always on the side of human rights. Thanks, contribute now click here this is the wallet to contribute


Similar Articles / Dia da M... mulheres