Será que Bolsonaro pode resgatar protagonismo que Brasil já teve no G20?

domingo
02:50:54
dezembro
02 2018

Será que Bolsonaro pode resgatar protagonismo que Brasil já teve no G20?

Líderes do G20 se reuniram na Argentina nesse fim de semana.
Sob a liderança do presidente Michel Temer, que deixa o comando do país em um mês, o Brasil teve mais uma vez participação discreta na cúpula do G20, que reuniu nos últimos dois dias as principais lideranças mundiais em Buenos Aires, capital argentina.

View 4.5K

word 623 read time 3 minutes, 6 Seconds

No próximo encontro, que acontecerá no Japão, em junho, o país será representado por Jair Bolsonaro, que chega ao cenário externo com a legitimidade do voto popular. Para analistas estrangeiros ouvidos pela BBC News Brasil, porém, a forte defesa do nacionalismo do presidente eleito e suas posições radicais em alguns temas podem dificultar sua capacidade de resgatar o prestígio internacional do Brasil.

Dez anos após união contra crise, G20 se reúne enfraquecido por 'antiglobalismo'
A guerra comercial China-EUA está longe do fim: qual o impacto para o Brasil?
Embora ausente na cúpula de Buenos Aires, Bolsonaro já despertou a atenção dos outros líderes. O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que não interessa ao seu país assinar tratados comerciais com nações que não façam parte do Acordo de Paris (compromisso para reduzir o aquecimento global).

Por causa disso, afirmou que a continuidade da negociação entre Mercosul e União Europeia dependerá da postura de Bolsonaro, que já manifestou intenção de seguir o exemplo dos Estados Unidos e deixar o acordo climático.

"No momento em que Bolsonaro chegar à sua primeira cúpula do G20, em Osaka, no Japão, ele poderá já ter aprendido que suas políticas atuais sobre mudança climática e igualdade de gênero matariam os brasileiros primeiro e o resto do mundo logo em seguida", disse à BBC News Brasil John Kirton, diretor do grupo de pesquisa do G20 na Universidade de Toronto (Canadá). / Getty Images

Bolsonaro terá dificuldades em resgatar o prestígio internacional do Brasil, dizem analistas
Temer não fica até o final, de novo

Depois de ter feito uma passagem relâmpago na cúpula do ano passado, na Alemanha, por casa das denúncias de corrupção que ameaçavam seu mandato, Temer teve apenas dois encontros bilaterais em Buenos Aires, com os primeiros ministros de Austrália e Singapura. Assim como em 2017, ele deixou o encontro antes da conclusão da última reunião de líderes.

Sua assessoria não esclareceu o motivo da volta antecipada. Segundo um diplomata do Itamaraty, o presidente "queria chegar mais cedo ao Brasil" e teria uma agenda privada em São Paulo.

Durante seu mandato, de pouco mais de dois anos e meio, Temer teve projeção internacional inferior a seus antecessores - Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016).

A previsão é que seu último compromisso internacional será a próxima reunião do Mercosul, em Montevidéu (Uruguai), dias 17 e 18 de dezembro. Com isso, deve encerrar seu mandato sem ter realizado um único encontro bilateral com os líderes das quatro maiores potenciais ocidentais - Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha e França.

Temer deixou o encontro antes da conclusão da última reunião de líderes
Para analistas de política externa, a perda de relevância brasileira e o menor protagonismo de Temer se explicam por vários fatores, como a controvérsia em torno da legitimidade do processo de impeachment, as denúncias de corrupção, sua alta impopularidade interna e a crise econômica que se arrasta desde o governo Dilma. full article: http://to5.me/2b

Source by BBC


LSNN is an independent editor which relies on reader support. We disclose the reality of the facts, after careful observations of the contents rigorously taken from direct sources, we work in the direction of freedom of expression and for human rights , in an oppressed society that struggles more and more in differentiating. Collecting contributions allows us to continue giving reliable information that takes many hours of work. LSNN is in continuous development and offers its own platform, to give space to authors, who fully exploit its potential. Your help is also needed now more than ever!

In a world, where disinformation is the main strategy, adopted to be able to act sometimes to the detriment of human rights by increasingly reducing freedom of expression , You can make a difference by helping us to keep disclosure alive. This project was born in June 1999 and has become a real mission, which we carry out with dedication and always independently "this is a fact: we have never made use of funds or contributions of any kind, we have always self-financed every single operation and dissemination project ". Give your hard-earned cash to sites or channels that change flags every time the wind blows , LSNN is proof that you don't change flags you were born for! We have seen the birth of realities that die after a few months at most after two years. Those who continue in the nurturing reality of which there is no history, in some way contribute in taking more and more freedom of expression from people who, like You , have decided and want to live in a more ethical world, in which existing is not a right to be conquered, L or it is because you already exist and were born with these rights! The ability to distinguish and decide intelligently is a fact, which allows us to continue . An important fact is the time that «LSNN takes» and it is remarkable! Countless hours in source research and control, development, security, public relations, is the foundation of our basic and day-to-day tasks. We do not schedule releases and publications, everything happens spontaneously and at all hours of the day or night, in the instant in which the single author or whoever writes or curates the contents makes them public. LSNN has made this popular project pure love, in the direction of the right of expression and always on the side of human rights. Thanks, contribute now click here this is the wallet to contribute


Similar Articles / Será qu...e no G20?